escritas com a etiqueta "pequeno guerreiro".
13:29
sexta-feira
18 jan 2013

razões para dormir sem roupas
um estudo recente revelou que apenas 10% das pessoas no mundo civilizado dormem sem roupa mas os "especialistas na matéria" mostram que tem benefícios para a saúde e também para a vida a dois.



encontrei um artigo (da cosmopolitan) com uma lista de 6 razões para dormir todo nu. resumindo e reescrevendo, fica mais ou menos assim:

de acordo com a autora de um livro ("the sex drive solution for woman"), dormir sem roupa é saudável para o órgão sexual feminino porque as bactérias adoram reproduzir-se e desenvolver-se em ambientes quentes e húmidos.
estar umas horas sem usar cuecas (a arejar) ajuda a prevenir infecções.

embora grande parte das pessoas goste de dormir numa divisão quente, é importante ter um quarto fresco durante a noite dado que a temperatura do corpo baixa durante o sono, uma tendência natural do organismo que se for contrariada pode perturbar o descanso.

de acordo com mais uma aldrabona norte-americana (a naturopata natasha turner, autora do livro "the hormone diet"), temperaturas altas durante a noite interrompem a libertação de melatonina e de hormonas de crescimento responsáveis por contrariar o envelhecimento do corpo.
quando a temperatura do corpo cai, a hormona de crescimento liberta-se e com ela a sua magia regenerativa e o resultado mais imediato é pele e cabelos mais bonitos.

diz que dormir como se veio ao mundo ajuda a dormir mais profundamente o que diminui os níveis de cortisol (a hormona do stress). o sono ao ser interrompido aumenta os níveis de stress, o que provoca fome (vontade de comer!)

dormir com o rabinho ao léu também aumenta o nível de confiança (afirma uma senhora chamada jennifer landa - esta eu fui investigar porque pensei que fosse uma senhora acima dos sessenta anos que ainda está fascinada com a alta tecnologia do clister, mas não... é uma jovem terapeuta sexual que percorre os programas da tarde nos states), isto porque sentir o fresquinho do ar é uma coisa sexy e quando a pessoa se sente sensual aumenta a sua confiança (não vou comentar este ponto... eu acho que preferia a velhota que vive com três gatos, come a comida deles e dá conselhos na rádio)

e claro, a última razão é bastante óbvia: dormir sem roupa é saudável para as relação amorosa porque aumenta o contacto com a pele do parceiro e a produção da hormana oxitocina (basicamente, se incentiva as relações sexuais a relação é mais feliz e faz as pessoas mais descontraídas e com mais propensão a orgasmos)



claro que mais estudo não acrescentou nada de novo e não é nada que não se soubesse mas... este é um consultório sentimental a brincar.

nota calorífica:
eu detesto calor seja de dia ou de noite. as pessoas que se expõem muito, vão à praia apanhar dias inteiros de sol etc. têm um aspecto mais envelhecido (um bom exemplo disso é a pele da cara e braços dos pescadores)

nota com ursinhos:
quando estava a pesquisar pelas imagens para esta escrita encontrei a seguinte, de um bebé com um ursinho, que me lembrou a ideia de tirar fotos a quem adormeceu, com um ursinho ao lado.



achei piada.

 
rui duarte
15:51
domingo
13 jan 2013

assim disse o freud (ou não)

"O que Pedro pensa de Paulo, diz mais sobre Pedro do que Paulo"

é uma frase que se crê da autoria de freud mas apareceu bastante recentemente.
a frase original pertence a uma senhora francesa chamada lise bordeau que escreve livros da treta sobre inspiração e motivação, na sua forma original: "Ce que Pierre pense de Paul en dit plus sur Pierre que sur Paul"

eu cheguei a esta conclusão sozinho, que quando alguém nos diz mal de outra pessoa está a denunciar a sua maneira de ver e avaliar os outros e o que diz sobre a outra acaba por não ter importância porque apenas o podemos confirmar com a nossa experiência (um facto que faz parte da nossa natureza é que todas as pessoas, além de idiotas, são potenciais aldrabões)

outra frase indevidamente atribuída a freud foi escrita por william gibson, um escritor de ficção científica que celebra o seu aniversário dois dias depois de mim (no dia de são patrício):

"Antes de ser diagnosticado com depressão ou baixa estima, certifique-se de que não está rodeado por idiotas."

(uma inspiração que se comprova de vez em quando e dá um bocadinho de estima própria... porque sabe bem ter provas que somos uma maioria de idiotas e "eu" não sou assim tão idiota - mas não serve de nada)

para terminar, a última frase atribuída a este senhor que fumava como um cavalo, não gostava de quem não era fumador e dizia que os cigarros simbolizam o pénis porque são cilíndricos e em forma de tubo, com uma ponta quente e vermelha donde sai fumo como se fosse sémen:

"por vezes um cigarro é apenas um cigarro"

ora... esta frase apareceu pela primeira vez num jornal importante e com muito crédito, cerca de 10 anos após a morte do psicanalista e foi citada a partir daí. basta um pateta lembrar-se de mandar uma patagoada para ser verdade daí para a frente (e é também por isto que eu acho que devia haver uma distinção entre o que aparece na internet em português de portugal e em "brasileiro", porque eles são muitos mais e dali vem mais có-có - ao menos uma página na wikipédia independente porque já passou o limite do erro humano)

estou farto de ver erros claros que surgem da ignorância e falta de brio (já vi dizerem que certa música do lionel richie é do bob marley, só para dar um exemplo)

sumário:
não acreditar em tudo o que se lê e, em relação ao senhor freud (um charlatão), uma pessoa torna-se uma autoridade quando a sua audiência é ainda mais idiota do que ela.

 
rui duarte
18:17
domingo
30 dez 2012

o quebra-nozes
"Щелкунчик (Shchelkunchik, O Quebra-Nozes) é um dos três balés que Tchaikovsky compôs. Foi estreado em 17 de dezembro de 1892 no Teatro Mariinsky, em São Petersburgo, então a capital da Rússia imperial." (retirado da wikipédia)

O ballet conta as aventuras de um quebra-nozes de aparência humana, vestido como um soldado. A protagonista, Clara, gostou tanto dele que o pediu como presente de Natal ao seu padrinho. Assim, o senhor Herr Dosslmeyer, fabricante de relógios, disse: "Era precisamente para ti". A Clara experimenta-o e vê que ele quebra as nozes sempre sem perder o seu sorriso e também com grande eficácia. O seu irmão Fritz, que tinha visto o quebra-nozes, também quis usá-lo, mas escolheu as nozes maiores que havia no cesto e parte-lhe um dos braços. Então, o pai, o juiz Stahlbaun, entrega à filha o seu quebra-nozes como propriedade exclusiva, tendo Fritz que sair para brincar com os seus brinquedos.
Depois a Clara encontra o braço e abraçou o quebra nozes até adormecer e sonha que aparecem muitas ratazanas enormes. A casa desapareceu e ficaram árvores enormes no sítio onde estavam os móveis e não foi só isso que mudou: o Quebra-Nozes de Clara agora é um soldado de carne e osso e tem às suas ordens um pelotão de soldados como ele.
Começa uma batalha entre as ratazanas e o pelotão do Quebra-Nozes mas os soldados vencem a batalha com sapatos enormes que atiram às ratazanas, obrigando-as e ao seu rei a fugir.
O bosque torna-se numa linda estufa de inverno e o Quebra-Nozes transforma-se num lindo príncipe, que leva Clara até o Reino das Neves, onde a apresenta ao rei e à rainha (Fim do 1º Acto).
Clara e o príncipe Quebra-Nozes seguem para o Reino dos Doces pelo Caminho da Limonada, onde muitos pastéis de todos os reinos do mundo dançam com os dois.
Depois desse sonho tão mágico e fantástico, Clara acorda e percebe que estava a sonhar, e fica triste. Vai-se despedir do padrinho que tinha ido para casa na companhia do sobrinho. Então, para surpresa de Clara, o tal sobrinho é o príncipe Quebra-Nozes. (Assim acaba o 2º e último Acto)

(posso acrescentar que estou com um desgosto de encontrar um artigo tão mal escrito na wikipédia, tentei traduzir para português de portugal e adaptar o texto ao máximo mas acho que mais valia ter escrito de novo - é vergonhoso e embaraçoso ter que ler este conteúdo assim)

uma piada relacionada com quebra nozes:



outra cena russa tradicional são as bonecas matryoshka (não tenho a certeza que é assim que se escreve mas é parecido), uma dentro da outra.



gosto muito de coisas feitas em madeira (e, falando nisso, da entrada pequenina do imaginarium)



 
rui duarte
12:08
terça-feira
18 dez 2012

120 anos de quebra-nozes


parece-me uma boa história para desenvolver (quando houver disponibilidade)

 
rui duarte
17:01
sexta-feira
07 dez 2012

memória de elefante
"O elefante-africano (Loxodonta spp.) é o maior dos dois tipos de elefante existentes hoje. Comparando com o elefante-asiático, distingue-se pelas orelhas maiores, uma adaptação às temperaturas mais elevadas, e pela presença de presas de marfim nas fêmeas, com cerca de 70 kg cada uma. Além disso, o elefante-africano tem 3 unhas nas patas traseiras e 21 pares de costelas, por oposição a 4 e 19, respectivamente, no elefante-indiano.
O elefante-africano atinge os 3,50 metros até o nível da cernelha e 6 metros de comprimento, sendo o maior mamífero terrestre existente na atualidade. Um adulto necessita de cerca de 250 quilogramas de alimento e 160 litros de água todos os dias."



"Como símbolo do safári africano, pertence ao grupo de animais selvagens chamado de big five, correspondente aos 5 animais mais difíceis de serem caçados: elefante, leão, leopardo, búfalo e rinoceronte.
Também pode ser violento quando invadem seu território."

aposto que não sabias que um elefante tem que comer 250 kilogramas por dia e beber tanta água. gosto mesmo muito dos elefantes apesar de nunca ter falado com nenhum (e a única impressão que tenho deles é a figura nos jardins zoológicos que está relacionada com cócó).
também li que o elefante tem pernas especiais, como se fossem colunas, para suportar tanto peso e nem tem que se deitar para dormir porque faz um esforço mínimo para estar de pé.

gosto mais dos elefantes africanos do que dos indianos, de facto é um dos poucos bichos de áfrica que eu gosto (e têm tanta coisa em comum com os humanos, biologicamente e não só)

 
rui duarte
07:33
terça-feira
20 nov 2012



 
palmira maria
 
escritas com a etiqueta "pequeno guerreiro".
etiquetas:
escritas: 2324

rui duarte

palmira maria