escritas com a etiqueta "de volta aos oitentas".
14:17
domingo
13 jan 2013

Commodore Datasette 1530
longe vão os tempos do commodore 64, o primeiro computador que eu utilizei (e aquele deve ter sido o primeiro da minha rua, a falar a sério)


não existiam discos rígidos ou disquettes, apenas cassetes que eram tal e qual as de música (bastava gravar o "som digital") mas, pelo seu conteúdo, chamavam-se datasettes.

tenho saudades dessa altura.

nota histórica:
este computador possuía os estonteantes 64k de memória, ou seja, 64 mil registos na memória volátil. o senhor bill gates afirmou um dia que este valor seria mais do que suficiente para qualquer utilizador e não ia aumentar muito mais mas enganou-se... hoje em dia usa-se milhares de milhões de registos de memória e já parece pouco.

 
rui duarte
17:46
sábado
29 dez 2012

blues brothers


eu gosto de blues.
a ideia para este filme começou no saturday night live com estes mesmos dois actores: john belushi e dan aykroyd.

foi um filme que marcou a minha infância/adolescência e descobri hoje que a twiggy participou.

nota estragada:
já tentaram fazer uma continuação/recauchutagem do filme já sem o john belushi (que entretanto morreu) mas eu infelizmente vi e foi um filme muito, muito mau.

 
rui duarte
12:52
quinta-feira
15 nov 2012

anos 80


encontrei esta imagem com a seguinte legenda: "passados 20 anos estas coisas todas cabem no bolso"

é tudo evolução, tecnologia e preguiça.

 
rui duarte
13:43
quarta-feira
26 set 2012

Seona Dancing - Bitter Heart


este é um desafio simples e de resposta bastante acessível. esta banda, "seona dancing", teve algum sucesso nos anos oitenta e o seu vocalista é uma personalidade bastante conhecida nos dias de hoje.

de quem se trata?...

 
rui duarte
09:04
sexta-feira
31 ago 2012

"pela noite dentro"
estava a escrever este título e lembrei-me que os filmes que passavam na RTP madeira (quando eu era criança) estavam organizados por horário que se designava "vinheta".

os filmes do início de tarde de domingo (normalmente cowboyadas com o john wayne, aventuras com o errol flynn ou musicais com o fred astaire, eram filmes antigos, muitas vezes a preto e branco), passavam na "primeira matiné". depois disso era a comédia romântica ranhosa da "sessão da tarde" (que já tinha passado há um ano no canal um do continente) mas o grande destaque semanal era o "pela noite dentro", normalmente filmes de melhor qualidade feitos há cinco anos ou mais:



(chateava-me porque era depois da minha hora de ir para a cama)

tenho estas memórias um bocado confusas (se calhar a sessão da tarde era o filme de sábado, não sei) mas ainda me lembro do atraso de vida e do facto das pessoas adorarem, porque era o que havia (toda a gente falava do mesmo "filme de ontem à noite").

e parecendo que não, foi com a abertura da SIC e da TVI no continente que começaram a passar filmes melhores (se calhar não devia escrever melhores mas sim "mais recentes"). bendita concorrência.

mas adiante... ia para escrever sobre os filmes que tenho visto nos últimos tempos durante a noite.
o primeiro é o ditador. mais do mesmo na linha do borat, hugo ou outra personagem do sasha baron cohen (um judeu cujas personagens não gostam de judeus), não foi completamente mau porque ainda me ri sem esforço uma vez ou duas.



ontem comecei a ver o último filme das minhas "sessões da meia-noite" (outra vinheta de cinema na RTP), a branca de neve e o caçador que parece ser um filme bastante bom e já se conhece a história mas estamos ali para ver como lhe pegaram (e para dizer que fomos ao cinema)



estou louco para ver o desempenho da kristen stewart! toda a gente diz que podia ser um grande filme mas ficou estragado pela interpretação do calhau que alguém se lembrou de chamar actriz. aquilo começa com o nascimento da branca de neve que vai crescendo, passa a criança, adolescente e as actrizes vão mudando até que apareceu a estrela do twilight e eu imediatamente caí no sono, aquela falta de sal foi pior que um comprimido para dormir (sim, estou a exagerar mas é a brincar)

e, finalmente, foi há duas noites que eu vi um dos melhores filmes deste ano e apeteceu-me aplaudir de pé (mas fiquei surpreendido porque apenas teve a classificação de 5.5 no internet movie database...)



é "made in england" (se calhar por isso a classificação baixa) e está no género de terror mas não tem muita coisa que meta medo, é mais pelo clima de tensão psicológica e pela história simples.
e pronto, como referência fica o melhor filme que eu vi este ano mas não deve fazer o género de filmes que tu gostas, "truth or dare"

 
rui duarte
14:10
sexta-feira
29 jun 2012

violent femmes - gone daddy gone

esta música não é pixies e muito menos gnarls barkley, foi um dos primeiros sucessos dos violent femmes no seu álbum de estreia.

é divertido mas a letra não é grande coisa e eu nunca confirmei mas diz que roubaram um verso inteiro à música da publicação anterior do senhor muddy waters. foi por causa disto, para provar que violent femmes não é apenas "blister in the sun"

nota musical:
para ouvir esta música basta carregar com o rato em cima da imagem, vale muito a pena (faz parte da história da música)

 
rui duarte
22:02
domingo
24 jun 2012

bognor regis
adivinha quem tem uma casinha simpática neste belo paraíso?


 
palmira maria
21:11
sábado
23 jun 2012

já cá cantam


 
palmira maria
16:30
quarta-feira
30 mai 2012

biscoitos
ainda há dias estava a ouvir "gente" a dizer que ouvir limp bizkit é matar saudades dos "tempos fixes" e ocorreu-me, mais uma vez, que este mundo está perdido.
esta banda foi das piores coisas que passaram por aí e que eu tenho recordação consciente. senão pergunto pela lógica de uma banda que apela à revolta da população que ainda não tem idade para pensar mas cujo líder carismático anda sempre com boné porque não quer perder pontos com a calvície (e foi aí que andar de chapéu à noite ou com óculos escuros em sítios, como se diz?... escuros! infelizmente passou a ser fixe)

a outra coisa engraçada é que não tiveram músicas de jeito, atente-se que os seus melhores sucessos foram covers de the who (behind blue eyes), george michael (faith) e house of pain (jump)

falando nisso, na minha geração o grito de revolta pós-infantil foi mais ou menos assim:



house of pain - jump

atente-se que esta música é original da banda, nesta altura "o hip-hop" não era coisa de pretos e eles não são incrivelmente ricos apesar de terem tido um grande hit mundial que apela à violência e debilidade mental de muita gente que os ouve e realmente compra a música (porque nesta altura tinha mesmo que ser)

outra parte boa é que não se vê dinheiro ou mulheres bonitas a abanar no video-clip (ainda não descobriram que os video-clips dos pretos são um atentado à saúde pública?)

será um sinal do final dos tempos?... não me admirava, já falta pouco para dezembro e os maias diziam que não sei o quê (este é um mundo de mentecaptos que se influenciam uns aos outros e nunca ninguém ou então toda a gente tem razão)

 
rui duarte
02:56
sexta-feira
18 mai 2012

esta é se calhar a música mais conhecida da cantora donna summer, "hot stuff":



claro que gosto imenso das músicas da rainha da "disco" dos anos setenta e oitenta, diz que nasceu com o nome LaDonna Adrian Gaines mas esteve casada com um austríaco chamado sommer e, depois de destruir esse casamento, adaptou o nome para a sua carreira artística.
tempos depois ia dando também cabo da sua carreira quando fez um reparo na altura em que se começou a ouvir falar em sida, uma doença que se alastrava principalmente na comunidade homossexual e pelas celebridades, disse que era uma espécie de castigo divino pela vida de pecado que a malta levava (eu acho que a preta não falou mal mas não se pode dizer estas coisas...)

e resta dizer que morreu esta madrugada com 63 anos devido ao cancro no pulmão e na mama (fumar faz mal e tal) mas espero que não se faça drama disto, até porque desconfio que pouca gente se lembra da mulher

nota musical:
tal como eu (e grande percentagem da humanidade com bom gosto musical), ela gostava muito da diana ross

 
rui duarte
23:07
sábado
21 abr 2012

"chegou o leiteiro"


assim é que se distribuía o leite há muitos anos, o leiteiro chegava numa bicicleta com dois bidões de lado.

na minha rua o homem trazia apenas um destes contentores de leite e aparecia sempre a gritar "leite! leite! está a chover!" (gritava sempre que estava a chover, mesmo em pleno verão nos dias de céu aberto)

posso dizer, baseado nas minhas memórias que aquele leite, tirado da vaquinha e sem processos intermédios, era muito diferente daquele que se encontra hoje em dia nos pacotes, sabia muito melhor e notava-se que é "natural" (mas LEITE é sempre bom!)

 
rui duarte
23:29
domingo
15 abr 2012

a ágata estrangeira
uma música lamecha que eu gosto imenso e é perfeita para dedicar no boa noite de hoje: "total eclipse of the heart" da bonnie tyler (que nasceu no país de gales mas adorava ter nascido aqui para ser a ágata... invejosa)


este single foi lançado em 1983 e é daquelas músicas que toda a gente gosta nem que seja em segredo:



foi uma sorte ter encontrado um vídeo com a letra porque é um bocado extensa e eu fazia questão de a incluir nesta publicação porque gosto bastante

 
rui duarte
23:32
segunda-feira
09 abr 2012

se calhar também não gostava de leite!


 
palmira maria
10:59
domingo
18 mar 2012

os eusébio abre a boca
como já estou à espera da bela calinada deixei de ficar surpreendido e nem tenho noção quando é realmente uma coisa espatafúrdia para se dizer, mas neste caso tenho ideia que sim.



foi numa entrevista com o miguel esteves cardoso para o público que a glória benfiquista disse que se não jogasse à bola teria sido o melhor bailarino do mundo.
a minha cabecinha imediatamente procurou nos arquivos de bailarinos (bailarinos de jeito, porque estamos a falar do melhor do mundo) e claro que a primeira sombra que aparece é o leroy da série "fama" que eu via em criança ou então o michael jackson...


mas... senhor velho asneirão e caduco, não existem bailarinos africanos a não ser no sapateado ou na música pop (ou no hip-hop, actualmente nem sei)
é a mesma coisa que um branco afirmar que quer ser campeão mundial de velocidade ou um preto dizer que gosta de nadar.

notas com raça e não só:
- acho que deviam haver provas dos 100 metros só para os brancos, para a malta se rir um bocado
- não gosto que me chamem branco porque na sua maioria quem o faz não gosta que o chamem de preto (eu não sou branco, tenho um tom mais claro que o castanho... até prefiro que me chamem cara-pálida porque sempre era mais inteligente)
- em relação à capa do público, não vou falar das etnias em portugal porque ainda é tabu mas ouvi dizer que longe de portugal é melhor e por isso façam favor
- a dama de ferro ainda está nas bocas do mundo (o que quis dizer é que ainda aparece publicidade na comunicação social)

nota à parte:
há dias um amigo começou a contar uma anedota, "era uma vez três bebés: um preto, um branquinho e um chinoca..." e foi aqui que desatei a rir! porque é que o "branquinho" tem tratamento preferencial? ele respondeu que tem que vender a sua raça, como os outros fariam (teve piada, é uma pessoa engraçada)

enquanto cresci não percebia o que é racismo ou porquê (tive essa felicidade) mas hoje em dia, quando não nos referimos àqueles casos históricos (e não estou só a falar do "pretinho da guiné" porque há casos tão maus ou piores), vejo como uma daquelas situações em que a vítima é culpada... senão fica a pergunta: porque é que ninguém gosta de ciganos?
serão pessoas agradáveis, trabalhadoras, honestas e nunca andam aos tiros? ah... pois... os que não são assim pagam pelos outros, mas assim é a vida tal como o tráfico de haxixe nas escolas (sempre se pode culpar a crise)

 
rui duarte
22:51
sexta-feira
24 fev 2012

o cavalo mais inteligente do mundo


jolly jumper, um dos meus heróis
 
rui duarte
18:24
segunda-feira
20 fev 2012

efemérides de 20 de fevereiro
ainda esta manhã lembrei-me disto, 20 de fevereiro pareceu-me bastante familiar por causa do temporal na ilha da madeira em 2010 (já lá vão dois anos e parece que foi ontem)

de qualquer maneira, descobri que a banda-desenhada do batman e do seu fiel amigo robin começou a ser publicada nos jornais americanos em 1944.



e estreou em 1985 o filme "brazil", do género "mind-fuck" (designação para filmes com uma lógica muito bem dissimulada ou que abordam assuntos confusos... acho que se percebe mais ou menos o que significa a designação)



muito bom! vi há poucos anos e adorei (o título completo seria qualquer coisa como: "brazil - o outro lado do sonho").
as partes boas é que se trata de um filme britânico que muita gente gostou e a acção não decorre no brasil.

e "pode-se aprisionar o corpo mas não a mente"

a música fica na cabeça:
"naaa... na-na-na-na-na-na-na-naaaaaaa..."


eu já referi este ano que detesto o carnaval? há quem adore mas acho isso deprimente, mal por mal prefiro o natal.
não vou explicar porquê mas até poderia dizer o que faria aos disfarces orgulhosos, às línguas de sogra e aos "confetes", serpentinas e balõezinhos de água...

 
rui duarte
17:36
quinta-feira
09 fev 2012

Zeruda no Densetsu
provavelmente o melhor jogo deste género, foi criado pela nintendo em meados da década de 80 e continua a ser um dos melhores porque vai-se mantendo actualizado. a versão mais actual do jogo é para a consola wii e trata-se de um trabalho lindíssimo, a três dimensões e com efeitos gráficos e jogabilidade maravilhosa.



o género de jogo é RPG ou "role playing game" em que se desempenha o papel de uma personagem dentro de uma espécie de narrativa

gosto muito desta história, o nosso herói não passa de uma criança com muita coragem e um coração grande, a zelda é a princesa do reino que está em perigo (a razão muda de jogo para jogo, normalmente é uma personagem má que quer o trono) e há uma profecia que diz que apenas aquele que empunhar a espada mágica ou quebrar um selo ou etecetera, etecetera é que a conseguirá salvar (a história varia muito em cada jogo)

no decorrer do jogo não se vê muito a princesa zelda, até há quem diga que o jogo deveria chamar-se "a lenda de link"

mas é tudo muito poético e bonito, os japoneses sabem bem o que fazem, a começar pela banda sonora!
não sei se é por gostar tanto do jogo e ter passado tanto tempo de volta dele ao longo da vida mas acho que o tema musical do jogo é apaixonante:



esta interpretação foi feita a duas vozes no violino, tocadas pela mesmo pessoa (e depois sobrepostas, porque a rapariga só consegue tocar um violino de cada vez)
não sei quem ela é mas dá-me a impressão que concorreu a um daqueles "mostra que tens talento" na televisão e agora é uma espécie de estrela na internet (a música e o vídeo estão muito bonitos)

o que me fez lembrar a lenda da zelda?

ontem estava a navegar pela internet e quando cheguei a uma página inexistente estava a informação de "ligação morta" ("you found a dead link", muita piada...)

nota fonética:
o título desta escrita significa "a lenda de zelda" e está escrito em japonês ocidentalizado (pegam no som de cada letra e constroem palavras como um japonês as diria. "battle royale", um filme que eu gostei imenso do realizador japonês que eu mais gosto e o único que eu sei o nome de cor, tem o título original "batoro royaru")

trabalho de casa:
terás que fazer uma pesquisa utilizando a ferramenta para esse efeito nesta página, à direita desta escrita, pela palavra "zelda"

ainda mais uma nota:
diz que para estarmos realmente especializados em alguma coisa temos que lhe dedicar 10000 horas (escrevi isto só para não me esquecer, depois já cá volto a este assunto...)

 
rui duarte
 
escritas com a etiqueta "de volta aos oitentas".
 
1 2 3
 
(página...)
 
etiquetas:
escritas: 2324

rui duarte

palmira maria