escritas com a etiqueta "os ensinamentos que vos deixo".
12:49
sexta-feira
25 nov 2011

ossip zadkine (qualquer coisa ao calhas!)
nesta data não se passou nada que, aos meus olhos, tenha relevo suficiente para ter direito a uma referência e, por isso... escolhi um nome ao calhas (que é certo que não me vou recordar daqui a pouco tempo) de um senhor que morreu em 1967 (num dia como hoje) com 77 anos.


"Ossip Zadkine foi um escultor bielorusso de ascendência judaica e escocesa. Além da escultura, produziu trabalho também na pintura e na litografia.
Depois de frequentar uma escola de arte em Londres, Zadkine fixou-se em Paris por volta de 1910, onde integrou o novo movimento cubista (1914-1925). Depois deste período desenvolveu um estilo original fortemente influenciado pelas artes primitivas.
Serviu na Primeira Guerra Mundial como maqueiro e foi ferido em acção. Passou os anos da Segunda Guerra Mundial no exílio, nos Estados Unidos da América.
O seu trabalho mais conhecido é provavelmente a escultura "Cidade sem coração", um memorial da enorme destruição do centro de Roterdão perpetrada pelos alemães em 1940":



(toda a informação foi retirada da sábia wikipédia)

notas sábias:
- eu não ia adorar ter esta escultura ou uma réplica em casa, mesmo que fosse no jardim... por causa daquele receio absurdo que as coisas podem ganhar vida (improvável mas seria um susto de morte)
- muitas coisas provam-se por redução ao absurdo (um dia eu próprio vou perceber o que acabei de escrever porque, se toda a gente diz e até se ensina isso na escola, deve ser verdade)
- este exercício de escolher uma personalidade ao calhas soube-me muito bem, descobri este senhor por mero acaso (quis o destino que fosse baptizado com o nome mais estranho da lista de pessoas dignas de referência que morreram nesta data) e não terei uma existência mais feliz por causa disto mas vou tentar este exercício mais vezes.

nota internacional: (como o "courrier")
diz que hoje é o dia internacional contra a violência ao género mais fraco... okay, vamos todos dar as mãos e fazer um minuto de silêncio (há algum dia internacional em que se celebre o respeito pelo próximo?... seria óptimo... e melhor ainda se alguém ligasse puto a estas tretas dos dias internacionais)

 
rui duarte
15:58
quinta-feira
24 nov 2011

"a origem das espécies" de charles darwin

faz anos que foi lançado este livro, em 1859, e contém a teoria da evolução das espécies, a base de toda a biologia moderna, mas ainda há quem não acredite nisto... porque nosso senhor diz que não é assim (as voltas que o velho deve dar na campa)

 
rui duarte
00:45
quinta-feira
24 nov 2011

hansel and gretel


a história de duas crianças alemãs (gulosas) que se perderam na floresta e foram parar à panela.

 
rui duarte
22:44
quarta-feira
23 nov 2011

"parvo"

esta palavra que está no masculino singular (o feminino é "parva") pertence ao vocabulário do latim e significa: pequeno, minúsculo ou insignificante.

é por estas e por outras que eu gosto de línguas mortas.

 
rui duarte
15:33
segunda-feira
21 nov 2011

prelúdio
prelúdio é o núncio de algo que está para vir, pode ser um prefácio ou então o ensaio antes de um espectáculo. Mais interessante do que isso pode ser o "prelúdio de um beijo" (1992), o filme que estou a ver agora, com o alec baldwin e a chatinha da meg ryan.
assim e dando azo à minha imaginação vou afirmar que "estar apaixonado (a)" pode ser o prelúdio do amor. certo?



p.s: o jovem alec baldwin tinha muito bom aspecto, quem diria.

 
palmira maria
00:29
segunda-feira
21 nov 2011

mulheres de todo o mundo uni-vos...


este cartaz assusta-me, mas gosto do caracolinho, tem qualquer coisa de super homem :P

 
palmira maria
23:40
domingo
20 nov 2011

a depilação dói, nós fazemos e fica bem melhor


 
palmira maria
18:22
sábado
19 nov 2011

bolas de golfe


as bolas de golfe voam (é óbvio que sim, tal como as bolas de ténis, basebol ou basquetebol e por isso esta é uma escrita mais ou menos repetida mas a intenção é falar sobre uma curiosidade que sempre me fez pensar...)



as bolas de golfe têm "buraquinhos" para que a bola percorra mais distância (ponto!)
esta moda pegou há muito tempo quando os praticantes notaram que as bolas gastas, com arranhões, "voavam" mais do que as novas (que eram lisas) e foi então que a malta que percebe de física confirmou que, por causa do efeito da turbulência, o ar faz menos resistência e a tacada vai mais longe.

isto sempre me fez confusão, eu pensava (quando era mais novo e inocente) que os buraquinhos eram só para "dar curva" à trajectória da bola... mas enfim.

 
rui duarte
17:38
sábado
19 nov 2011

trevos de quatro folhas (sorte)
há dias estava a interrogar-me acerca da real existência e qual a raridade dos trevos de quatro folhas e o certo é que (depois de perguntar ao senhor google) comprovei que existem na proporção de um para dez mil! por isso é tão complicado encontrá-los, até porque parecem todos iguais.


há muitas histórias acerca desta plantinha (o trevo, chamado "clover" em inglês) mas a mais comum é que as folhas representam fé, esperança, amor e... a quarta folha é sorte! (é preciso muita sorte para o encontrar)

notas:
- nunca vi nenhum trevo com mais de três folhas (a quarta folha normalmente aparece quando o gene responsável pela inibição de mais que três está descontrolado e sem esse limite é normal haver trevos com 5 ou mais folhas)
- já perdi muito tempo à procura deles mas não tenho sorte.
- não confundir trevos com uma variedade especial (de trevos), trifolium repens, o símbolo da irlanda chamado shamrock e adorado por são patrício (era uma espécie de representação da santíssima trindade aos olhos dele). lá para os lados da irlanda dizem que a quarta folha dos trevos tem propriedades mágicas mas também acreditam em duendes e caldeirões no final do arco-íris...

 
rui duarte
11:26
sexta-feira
18 nov 2011

tilt-shift
é muito, muito giro! consiste em pegar numa fotografia (real) e, recorrendo a "desfoques" passar a ideia que se trata de um mundo pequenino, como se fossemos bonecos. este é um exemplo muito bem feito:



eu também experimentei com uma imagem que tirei quase ao calhas da internet e fiquei bastante surpreendido com a simplicidade de execução e com a qualidade do resultado final (que acredito que não está grande coisa até porque a imagem escolhida não é das melhores mas trata-se de uma primeira tentativa)


e, já agora, deixo também a imagem original:


notas:
- pelo que percebi isto nunca se faz ao tirar a foto, é um "pós-tratamento" que se pode dar no photoshop ou assim
- tudo passa pela escolha do sítio, ângulo, distância (e essas coisas) e do "tratamento artifical de lente" (não sei se me consigo explicar mas acho que dá para perceber)
- eu tenho vertigens mas acho que vou começar a experimentar (há uma relação, sim...)

mais exemplos:





muito engraçado (talvez até divertido...)

 
rui duarte
09:54
quinta-feira
17 nov 2011

a natureza encontra sempre maneira


achei piada aos trevos terem crescido por aquele buraquinho (porque o balde deve estar ali imóvel há algum tempo)

 
rui duarte
09:53
quinta-feira
17 nov 2011

(provavelmente) o pior café do mundo


não sei se foi o pior café que eu já bebi, porque há sempre concorrência, mas é um forte candidato a esse título



foi a bordo do lobo marinho, na volta da ilha do porto santo (onde o cristóvão colombo viveu até ao fim da vida), no dia do "jogo do stop" e da revista "super interessante" que não chegou a partir da madeira

 
rui duarte
21:21
terça-feira
15 nov 2011

formação em "V"
porque é que os patos voam (ou nadam) nesta formação?...



quando o fazem voam 70% mais rápido e com menos esforço do que se o fizessem organizados de outra maneira porque à medida que cada pato bate as suas asas é criada uma sustentação para os que vêm atrás e assim quase todos esforçam-se menos (e também porque todos têm um melhor plano de visão).
a piada é que os patos que vão atrás grasnam para motivar os da frente e quando o "líder" (normalmente o mais forte do bando) fica cansado é imediatamente substituído por outro de confiança.

mas não ficamos por aqui! quando algum pato fica doente ou é ferido, um outro pato ou mesmo vários patos saem da formação e acompanham o que já não consegue voar (para o ajudar ou proteger) até que chegue em segurança ao solo e fazem-lhe companhia até que possa voar novamente e só então partem à procura do seu bando ou de outra formação que vá a passar

curiosidades:
1. não se diz formação em "V" mas sim "formação em flecha" e escusado será dizer que as forças armadas imitam estas tácticas
2. o grasnar dos patos é o único barulho que não produz eco e não se sabe explicar porquê
3. eu gosto dos parrecos

 
rui duarte
17:30
terça-feira
15 nov 2011

não há arco-íris sem sol ou sem chuva


pode ser um bocado "básico" mas já diziam as avós e eu gosto

 
rui duarte
09:28
terça-feira
15 nov 2011

cocktail umbrella


não sei o nome em português, acho que toda a gente diz "guarda-chuva-pequenino" (ou, se estivéssemos no brasil, "sombrinha"), o que é certo é que foi grande moda há uns tempos e quem se lembrou de uma coisa tão decorativa quanto inútil está podre de rico (a mim sempre me pareceu que a intenção é não deixar a bebida exposta ao sol, mas parece rebuscado demais)

isto tudo a propósito de um guarda-chuva pequenino para o telemóvel usar no duche (enfim... mas tem piada)



notas:
achei piada ao candeeiro feito com "guardas-chuvas-pequeninos" (porque foi dado uso à imaginação) e encontrei mais ou menos a origem desta decoração mas está em inglês:

"The cocktail umbrella is believed to have arrived on the bar scene as early as 1932 courtesy of Victor Bergeron of Trader Vic`s in San Francisco although it is, by Vic`s own admission, a presentation picked up from Don the Beachcomber (now closed). Upon introduction, umbrellas were considered very exotic as were most things from the Pacific Rim." (da wikipédia)

 
rui duarte
22:53
segunda-feira
14 nov 2011

impossível confundir!


unhas quadradas




unhas redondas

 
palmira maria
21:55
segunda-feira
14 nov 2011

"os olhos também comem"


 
rui duarte
 
escritas com a etiqueta "os ensinamentos que vos deixo".
 
1 2 3 4 ... 11 12 13 14 15 16
 
(página...)
 
etiquetas:
escritas: 2324

rui duarte

palmira maria